Atualização sobre o Ebola


gallery

O Ebola está isolado na África Ocidental


Desde 22 de agosto de 2014, os casos de Ebola têm sido restritos a países da África Ocidental. A presença do vírus na África Ocidental, resultou em uma certa ansiedade em viagens para a África em geral. Nossa intenção é responder a estas preocupações, dando-lhes informações precisas e claras.

O surto é específico do país onde ocorre e de nenhuma maneira afeta viagens para todos os países na África. Os países afetados são restritos à África Ocidental e incluem Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa.

 Para colocar isso em contexto, a África Ocidental fica a 9 horas de avião de Nairobi, no Quênia, oito horas de Joanesburgo na África do Sul, 10 horas de New York, e 6 horas e meia de Londres. As regiões Sul e Leste da África que são visitadas pela maioria dos turistas não têm fronteiras com qualquer um dos países da África Ocidental, minimizando o risco de infecção por Ebola. Em todos os grandes pólos de viagens aéreas em todo o mundo, incluindo as principais portas de entrada para o sudeste e leste da África, há medidas de precaução extremamente eficazes para prevenir a propagação do vírus, incluindo os processos de triagem intensos nos aeroportos e durante o trânsito.

O Ebola é muito difícil de ser contraído

É importante notar que o Ebola é transmitido através de fluidos corporais, e não é transportado por via aérea. Como tal, é considerado seguro para voar. Para aqueles que viajam para as áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) descreve o risco de viajantes de negócios ou turistas que retornam com o vírus como extremamente baixo, dizendo: "A transmissão requer contato direto com sangue, secreções, órgãos ou outros fluidos corporais de pessoas ou animais vivos ou mortos, todas essas são exposições improváveis para o viajante típico."

Tudo está sendo feito para garantir que o vírus Ebola fique contido dentro dos países do Oeste Africano já afetados e não se espalhe ainda mais.

Viagem para a África do Sul

Desde agosto de 2014, o Departamento Nacional de Saúde Sul-Africano declarou de forma inequívoca que não existem casos de Ebola na África do Sul e que estão em estado de alerta para qualquer ameaça ou provável infecção. A  África do Sul emitiu uma proibição de viagem que proíbe a entrada de não-sul-africanos de países infectados pelo Ebola. O Aeroporto de Joanesburgo OR Tambo possui um Sistema Infravermelho de Triagem de Febre no terminal de desembarque e sensores de temperatura corporal nos pontos de filas de imigração para detectar pessoas potencialmente infectadas. As pessoas infectadas serão colocadas em quarentena e a entrada será negada.

Viagem para a Tanzânia

Embora nenhum caso de Ebola ter sido relatado na Tanzânia, as autoridades de saúde estão tomando sérias precauções para evitar a propagação do vírus Ebola. O Aeroporto de Dar es Salam e oAeroporto Internacional de Kilimanjaro (KIA), na Tanzânia, são dois dos principais pontos de entrada na África. Profissionais de saúde foram postos em todos os principais pontos de entrada na Tanzânia, incluindo Arusha, Ngorongoro, Namanga e KIA para inspecionar os passageiros que chegam e para manter a vigilância apertada.

Viagem para o Quênia

Da mesma forma, não houve casos de Ebola no Quênia, mas o país está tomando todas as medidas de precaução necessárias contra o vírus. O Aeroporto de Nairobi, no Quênia é um ponto de entrada chave para muitos que viajam para a África. O Ministério da Saúde do Quênia pôs profissionais de saúde e forneceu o equipamento necessário aos aeroportos, postos de fronteira e portos para a triagem de todos que entram. Passageiros são triados quando embarcam em aviões na África Ocidental, bem como em trânsito.

O que os nossos clientes dizem sobre nós

Conheça seus especialistas em safári africano

Conheça a equipe rhino
  • Feito na África
  • Garantia de preço
  • Consultores especializados
  • Responsabilidade Social
  • Proteção Financeira

Telefone-nos

Horários: Aberto Fechado
08:30 - 17:00 (GMT+2)
Grátis:

0808 238 0044

888 2156 556

1 800 447164

1 800 947168

1 844 8517 090

800 900 341

800 101 3310

080 045 2877

800 018 4895

0800 182 3211

0800 562 964

0800 295 105

0800 919 394

0800 721 24

800 260 73

0800 848 229

1 844 2867 643

9009 476 83

0018 005 11710

0800 444 6880

018 0051 81669

0800 7618 612

800 827 648

Número local:

+27 21 469 2600